Recent

Igor Kannário pede vaia para PM e acusa de abuso de poder: 'Agressores'


O cantor e deputado Igor Kannário pediu uma vaia para a Polícia Militar da Bahia na tarde desta segunda-feira (24), quando puxava sua pipoca no Campo Grande. De cima do trio, ele viu a PM passando com agressividade para desfazer uma rodinha em meio aos foliões. 
"Peço à imprensa, filma isso aí. Isso é abuso de poder, aubuso de autoridade. Quero uma vaia para a Polícia Militar da Bahia", afirmou, sendo atendido. Os foliões vaiaram e depois gritaram "Uh, é o Kannário".
"Agressores, agressores! Venha me bater aqui em cima. Quero ver!", provocou. 
Depois, ele retomou a música Embrazando, mas um pouco à frente Kannário falou que a PM pode fazer algo contra ele. "Se acontecer alguma coisa comigo, quem mandou me matar foi alguém da Polícia Militar", acrescentou.
Procurada, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) não quis comentar as declarações do parlamentar. Mais tarde, a Polícia Militar divulgou uma nota de repúdio. "Além da atitude irresponsável e criminosa o também deputado federal incitou os foliões contra os policiais militares que faziam o policiamento do circuito Osmar. É inaceitável que qualquer pessoa, ainda mais um parlamentar, tente comprometer a honra da instituição e de policiais militares que estão comprometidos e empenhados na defesa da sociedade baiana. Todas as medidas judiciais cabíveis que o caso requer serão adotadas", diz a nota.
Mais tarde, Kannário não ficou calado e divulgou uma nota para a imprensa dizendo que 'não irá se calar quando excessos forem cometidos'. Leia a nota divulgada pela assessoria de imprensa do artista:
"O deputado federal Igor Kannário vem a público esclarecer os fatos ocorridos nesta segunda-feira (24) durante a passagem da pipoca do cantor pelo circuito Osmar (Campo Grande). Kannário informa que, ao observar um tratamento agressivo de alguns policiais militares contra foliões, solicitou uma abordagem adequada dos profissionais. O deputado ressalta seu respeito e admiração pela instituição Polícia Militar, que tanto se dedica diariamente aos baianos. Contudo, Kannário enfatiza que não irá se calar quando excessos forem cometidos, como ocorreu nesta segunda. O parlamentar baiano frisa, ainda, que este foi um caso pontual da atuação da PM durante a passagem da pipoca do Kannário pelo Campo Grande. Inclusive, no início do desfile, o cantor pediu aplausos para a PM e para os policiais que estão trabalhando arduamente neste Carnaval. Destaca também que sua pipoca foi, mais uma vez, um grande sucesso de público, com uma linda festa no circuito Osmar, marcada pela paz e pela diversão dos foliões. Mantenho meu imenso respeito pela Polícia Militar, valorosa instituição que tanto orgulha a Bahia. Mas ressalto que não vou me calar diante dos excessos, ainda mais contra a minha pipoca, que saiu das favelas para fazer uma festa linda na Avenida. Sou um político que tenho lado, e meu lado é o povo".
Ainda no desfile, Kannário pediu para a imprensa filmar cenas e também para os foliões "abrirem" para a PM passar. "Abre aí para esses bunda-mole passarem". Também pediu que o público ajudasse uma gestante que passava mal a conseguir passagem.
Ao passar pela frente do Castro Alves, Kannario voltou a falar da ação da Polícia Militar. Ao ver mais uma ação da polícia partindo para cima dos foliões, pediu para baixar a música e disse: "Alô imprensa da Bahia! Tem que mostrar esse abuso de poder, esse desrespeito com cidadãos que pagam seus impostos e ajudam e pagar salário deles (policias)".
"Depois dizem que Kannario procura confusão com a polícia. Não é isso não. É certo pelo certo. Quem tá errado tá errado", disse.
Metros à frente, voltou a comentar: "Essa guarnição aqui tem educação. Parabéns! Tá fazendo o certo. Pedindo licença. Quem eu vir agredindo eu vou falar daqui de cima mesmo".
Mais cedo, a pipoca do cantor teve que ser interrompida. Ao todo, o trio ficou cerca de 20 minutos parado, retomando às 16h25. "A gente vai esperar o Mudança do Garcia adiantar o lado. O que eu quero é cantar mas não tem como cantar parado", afirmou.
Quando voltou a tocar, Kannario perguntou: "podemos 'embrazar' agora?". E puxou Embrazando. Mas na hora de fazer a curva e entrar na avenida do Castro Alves, a pipoca teve que parar de novo.
"A gente só vai entrar na avenida quando for a nossa hora. Só vamos entrar quando o Mudança sair. Vamos respeitar o Mudança do Garcia", disse Kannario.

Nenhum comentário