Publicidade

ANUNCIANTES

Rodrigo Maia decide se filiar ao MDB. Saída do DEM precisa de solução jurídica.

O presidente nacional do MDB, Baleia Rossi (MDB-SP), afirmou que ainda não há nenhuma definição sobre se o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) vai se filiar ao MDB, mas declarou que ele seria bem-vindo caso decida entrar nos quadros do partido. "Já fiz o convite para ele se filiar. Será bem vindo ao MDB", disse ao Congresso em Foco.


Mais de um mês após o rompimento com o DEM, Maia ainda não formalizou uma entrega de pedido de desfiliação ao diretório nacional. Aliados do deputado do Rio de Janeiro afirmam que ele ainda precisa achar uma saída jurídica para sair da legenda sem perder o mandato pelo qual foi eleito em 2018.

Como a eleição para uma vaga na Câmara é proporcional, ou seja, os votos no partido também contam para definir quem são os eleitos, Maia só pode sair do DEM sem perder o mandato caso comprove que foi perseguido ou que a legenda mudou seu programa ideológico. Outra possibilidade é que haja um acordo com o comando do DEM e a direção da sigla permita o deputado sair do partido e manter o mandato.


O assunto de desfiliação de Maia está congelado no DEM. Desde que rompeu com o partido, o ex-presidente da Câmara tem feito duras críticas ao presidente da legenda, ACM Neto. A aliados, Neto  tem afirmado que, mesmo com ele fora do DEM, não descarta uma reconciliação com Maia, mas isso só aconteceria com um gesto público do deputado do Rio de Janeiro de retirar as críticas que fez. Nas redes sociais, Maia classificou ACM Neto como "mau caráter".


Segundo disse Maia em entrevista ao jornal Estado de São Paulo há uma semana, a saída do DEM é irreversível. O racha com o partido se deu na campanha que elegeu seu sucessor na presidência da Câmara. O candidato apoiado por Maia era Baleia Rossi. Porém, no meio da disputa, o presidente do Democratas, ACM Neto, não conteve um movimento da bancada da sigla de apoiar a chapa do atual presidente Arthur Lira (PP-AL) - apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Nenhum comentário